Textos


CANUDOS: UM GENOCIDIO DA REPUBLICA BRASILEIRA 


Quero lhe falar de uma atrocidade
Que banhou de sangue o Brasil.
Nunca se fez tanta barbaridade
Em nossa Pátria a Mãe Gentil.
Um extermínio com perversidade
Em uma sangrenta guerra civil! 
 
Antônio Vicente Mendes Maciel,
Conhecido mais por Conselheiro.
Enfrentou a nossa Republica cruel
Para libertar o sertanejo ordeiro!
E aos princípios de Deus foi fiel,
Ajudando ao próximo bem ligeiro!
 
Canudos foi para o trabalhador
Uma verdadeira Conspiração!
Pois a Republica no ermo deixou
Aos cuidados da vil exploração!
Enquanto Conselheiro o libertou
Foi recebido com bala de canhão!

Segundo a nossa Historia oficial
O sertanejo pobre vira bandido!
O Exercito vem e acaba com Arraial,
E culpa o Conselheiro pelo ocorrido!
Ninguém culpa a Republica do mal,
Pelo abandono do caipira esquecido!
 
A Igreja, o Estado e o nosso jornal,
Todos estavam contra Conselheiro.
Taxava de jagunços de gente do mal
De capangas e bandidos desordeiros!
Ninguém condenava o latifúndio imoral
Nem as ações do coronel justiceiro!
 
O sertanejo lutava contra o coronel
Que lhe usurpava a sua cidadania.
Quando achou a terra de leite e mel?
No Arria de Belo Monte que surgia!
Foi atacado por um exercito cruel
Que lhe exterminou de nossa Bahia!
 
Temos o governo de pouca gente
Que é apelidado de democracia!
Que traz o nosso povo na corrente
Como naquela antiga oligarquia!
Para fazer do trabalhador decente
Objeto de exploração e de tirania!

O governo não representa o povão,
Pois trata só do interesse particular!
Enquanto o povo não tem educação
E nem a casa decente para habitar!
Em nosso imposto mete a sua mão
Sem que ninguém venha reclamar!

A República mais enfurecida ficou
A imprensa botou pólvora na guerra.
A terceira tropa pra Canudos enviou
Para acabar com o sertanejo da terra.
Mas o Davi a esse Golias derrotou
E o governo mais uma vez se ferra! 
 
Acabar com o Belo Monte é desafio
E exterminar a peste do Conselheiro!
Como pode alguns jagunços sem fuzil?
Derrotar poderoso Exército brasileiro!
E destacou todo o quartel deste Brasil
Para exterminar o nosso povo ordeiro!
 
No Brasil o povo não é a democracia.
Governo é algo sem nossa população!
Qualquer movimento que lhe insurgia?
Foi recebido com a baioneta e o canhão!
Assim foi com Canudos na nossa Bahia,
E com o cangaço de Virgulino Lampião!
 
Revolta dos Alfaiates na nossa Bahia
Em que o João de Deus foi enforcado!
Por defender bom preço da mercadoria,
E o direito de igualdade ao negro amado!
Mas o governo jogou balde de agua fria
Quando por Jose da Veiga foi delatado!

Hoje qualquer protesto deste povão
É gás de pimenta e o cassetete geral. 
É taxado de baderneiros como ladrão
Pela nossa mídia em cadeia nacional!
É que o politico não quer a população
Reclamando de direito Constitucional!
 
Na Republica a quarta tropa enviou
Para com o Belo Monte exterminar!
E mostrar como governo usurpador
Trata pobre que não quer se sujeitar!
Quase trinta mil caipiras assassinou,
Em uma carnificina sem outra par!
 
Foi o resultado desse carnificina vil:
Duas criancinhas, o velho e a mulher.
A igreja, governo e o jornal aplaudiu
E o nosso povão nem meteu a colher!
Acreditou que Conselheiro insurgiu
Desafiando a exploração do coroné!
 
O amado Conselheiro nunca morreu,
Pois ele representa luta contra tirania!
É o Antônio, a Maria, o José, sou eu...
É qualquer um que a injustiça desafia!
O Belo Monte vive no lugar que é seu,
Quando se protesta por pão e moradia! 
 
Quem elege o nosso algoz governante
É o proletário, o favelado e analfabeto!
É a nossa grande “massa” não pensante
Quem escolhe o safado politico direto!
Depois vai ficar quatro anos agonizante
Sem transporte, sem Saúde e sem teto!
 
 
EXTRAIDO DO LIVRO:
A SAGA DE ZUMBI DOS PALMARES NO BRASIL CONTRA O TRONCO O CHICOTE E O FUZIL, do poeta Birck Junior.  
 

 
 
Birck Junior
Enviado por Birck Junior em 28/09/2016

Música: BANDA MEL - REVOLTA DE OLODUM - BANDA MEL / REVOLTA DE OLODUM

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários