CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
PROF. BIRCK JUNIOR, O POETA ARRETADO
QUEM NÃO É SOL AOS PRÓPRIOS OLHOS, NÃO PODE SER ESTRELA AO OLHAR DOS OUTROS!
Textos


A ONÇA E O BODE
 
(A Onça e o Bode, fábula brasileira,
Texto de Luís da Câmara Cascudo.
Versão de seu Feli Duque)
 
        A ONÇA E O BODE resolveram fazer uma casinha. O bode saiu pela mata adentro e achou um terreno limpinho e disse:
        - Obá! Obá! Tou com sorte. É aqui.
 
        A onça, que nada sabia foi ao mesmo lugar e também deu graças a Deus e falou:
        - Obrigado, deuses da floresta e logo fincou os mourões.
       O bode, voltando depois, disse o mesmo e botou as ripas para traçar as paredes. A onça voltou e embarrou as paredes de taipa. No outro dia o bode veio e a cobriu de bambu. A onça, por fim, pôs as janelas e as portas.
       Terminando a casa, cada um arrumou as suas coisas e entrou cada qual por uma porta. Quando perceberam a presença um do outro? O bode foi logo dizendo:
       - Essa casa é minha, dona onça. O que a senhora faz aqui?
        A onça então, lhe respondeu:
        - Para a sua informação, seu bode, eu também ajudei a construir essa casinha.
        O bode, então, se desconfiou e disse a onça:
      - Ah! Então aquela estória da ajuda dos deuses era pura lorota, puro engodo, pura mentira, ne? Na verdade a ajuda dos deuses era dona onça me ajudando a construir essa moradia. E já que nós dois erguemos a casinha?  Não tem outro jeito, se não a gente se tolerar e viver os dois aqui na mesma casa.
 
       O bode, no entanto, se pelava de medo da onça, pois não via á hora de ser morto por ela. Por outro lado, a onça também tinha cisma do bode, pois achava ele um inimigo perigoso. E o temor do bode aumentou quando a onça foi a um sitio, matou um bode grande e trouxe para o bode tratar. 
 
       Dias depois, o bode resolveu dar uma volta e deparou com uma onça morta. O malandro, então, levou a carcaça de onça pra casa e disse que era uma caça para a amiga tratar. A onça, vendo aquilo, ficou com tanto medo que disparou na carreira pra mata, deixando o bode como único dono da casa.
 

      
“Entrou por um pé de pato
        E saiu pelo um pé de pinto. 
        Manda ao rei o meu senhor,

        Que me contasse mais cinco”!       
 
 Do Livro: CONTOS DE BICHOS PARA CRIANÇAS - BIRCK JUNIOR - 2018
Birck Junior
Enviado por Birck Junior em 30/08/2018

Música: Milton Nascimento - PORTAL DA COR - MILTON NASCIEMNTO

Copyright © 2018. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários