CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
PROF. BIRCK JUNIOR, O POETA ARRETADO
QUEM NÃO É SOL AOS PRÓPRIOS OLHOS, NÃO PODE SER ESTRELA AO OLHAR DOS OUTROS!
Textos


A ABOLIÇÃO DA ESCRAVIDÃO NO BRASIL
-13 DE MAIO DE 1888
 
 
Sem outra saída, a nossa Princesa Isabel substituindo D. Pedro II, promulgou em 13 de Maio de 1888 a Lei Áurea que “libertava” todos os escravizados:
            Art. 1. É declarada extinta a escravidão no Brasil.
           Art. 2.  Revogam-se as disposições em contrário.
             
         Os negros foram “libertos” do tronco e dos castigos corporais. Porém a Lei Áurea jogou-os no “tronco” da miséria, sem eira e nem beira, “sem lenço sem documento”, na favela, analfabetos, desempregados, sem terra, sem teto e jogados ao “Deus dará” com a única herança que restou: a discriminação racial e a liberdade de morar debaixo de uma ponte, em barraco na favela, vendendo quitute e acarajé na praça para sobreviver! Como se não bastasse tudo isso, ainda foram substituídos pelos imigrantes italianos, poloneses e alemães... Ao invés deles ser integrados á sociedade através de indenizações, Reforma Agraria e alfabetização... Foram descartados como “carta fora do baralho” da riqueza do Brasil. Como salientou o final da novela “Sinhá Moça” da Rede Globo: “... E de tudo o que plantaram nada lhes restou, nem de terras nem da riqueza”... (do café, da cana-de-açúcar e do ouro), ganharam apenas a “Liberdade”. A “seriema” com quem tanto sonharam e lutaram-nos diversos Quilombos como o de Zumbi dos Palmares.
            
        Quero terminar apontando a nossa trágica herança escravocrata de mais de três séculos: a subserviência do paternalismo presente na politica, onde o politico “bonzinho” ajuda o povo pobre, não sabendo o “idiota” que é por puro interesse. No Brasil como disse Aristides Lobo: “não tem povo”, pois o povo nunca passou de escravo, analfabeto, sem terra, sem teto, sem saúde... Embora construa a riqueza da nação, e coloque na 6ª economia mundial, nos protestos legais por melhores transportes e habitação, saúde e educação, ainda são taxados de “vândalos e baderneiros” pelos governantes. Além dos privilégios políticos, a esperteza, o calote e a corrupção são heranças escravistas de um tempo que a força e a dinheiro ditava a ordem. A insensibilidade ao sofrimento alheio, á apatia em reclamar os seus direitos sociais, a discriminação com trabalhos braçais, o preconceito racial disfarçado, além do descaso por melhores moradias, renda e igualdade social.
        
DO LIVRO: A SAGA DE ZUMBI DOS PALMARES NO BRASIL CONTRA O TRONCO O CHICOTE E O FUZIL. DO POETA BIRCK JUNIOR 
Birck Junior
Enviado por Birck Junior em 13/05/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários